José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

A Casa Dela
Há várias coisas na minha
vida
que me abrutam a
sensibilidade:
uma porta fechada,
janelas de cedros
despencadas,
luzes de seda
debruadas,
poeira de tempo
amuadas,
e felicidade que
nunca vem
ameiada.

Casa de armários de
vila e agora,
a casa antiga - a casa dela -,
que um dia foi vinho,
foi beijo sem velas,
mas agora,
mas hoje é sonho.

Sonho de matar!

Pois metade de mim,
avante!

Ainda baila por ali,
na casa fechada,
de uma varanda,
um riacho,
meia-luz,
e dois abraços
eu e ela,
enlaçados, agora,
só no
ontem!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 30/07/2006
Alterado em 31/07/2006


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras