José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Morno Vento
Não sei igualar as coisas.
Não sei relacionar o próximo.

Se antes augurava uma vida
cheia de lagos pacíficos,
hoje me redemoinho em ansiedades
e vazias pensatas.
Hoje nunca foi igual a ontem.
Ontem foi um vento ralo, morno
que rebatia em nossas faces,
mas nada nos dizia...

Fomos descobrir - tarde demais -
que o tempo é perspicaz e silencioso.
Ele age à sua maneira e, de resto,
nos deixa em abismos de profundidade...
José Kappel
Enviado por José Kappel em 03/05/2017
Alterado em 24/05/2017


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras