José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Águia Ferida
A improvisação é a base de toda transformação que se sucede no dia-a-dia - disse lá meu avô, depois de tomar quase um garrafão de vinho.

Aliás ele teve uma morte subterrânea e invulgar. Depois de beber muito, desceu uma longa escadaria, escuso de minha avó, abriu um tonel de vinho e mergulhou o rosto lá dentro.

Sua morte ficou famosa em toda a cidade. Horas depois acharam seu corpo mergulhado no tonel, entre aduelas, tampas, arcas e velas acesas, só se vislumbrando os cabelos grisalhos boiando na superfície.

Esta morte me persegue a vida toda. Vem um dia depois de outro e mais outro. E fica lá a imagem que eu não vi, mas me contaram, do homem que se matou no tonel de vinho.

Fiquei na porta - era ainda criancinha e não me deixaram entrar. Fiquei ansioso, nunca tinha visto a morte tão de perto e tudo tão de longe. Uma angústia sem nome me abateu.

Ele, avesso às mordomias vivia alheio às coisas. Era um aposentado vulgar e passava o dia num varandão na casa de minha avó, olhando para o céu, migalhando pássaros, aliciando o feroz cachorro ou simplesmente alheio a tudo e a todos.

Só comigo gostava de conversar, talvez por ser o primeiro neto. Um dia ele me deu seu relógio, outro dia, fotos antigas de quando era moço, me deu um cordão de ouro. Me deu palavras que não consigo esquecer. E muito mais entender.

Era uma conversa sem diálogo, de frutos curiosos. Mas sua imagem era arcante e dolorida. Eu, no íntimo, sabia que ia acontecer alguma coisa.

O tempo passava e ele sempre o mesmo, sisudo, carrancudo, mas brando e doce comigo. Me contava histórias incríveis que hoje guardo com carinho.

Então naquele dia, 14 de maio de 1917, alguma coisa interior e inexplicável o levou para sua adega e se matou atrozmente, como águia sem destino e ferida que deixa o caçador realizar seu momentâneo prazer e, já ferida, pruma as balas que pipocam seu corpo.

E foi curta e sem sentido a passagem de meu avô pela mundo dos homens.

Mas, ele tinha que se matar exatamente no dia de meu aniversário?
José Kappel
Enviado por José Kappel em 12/05/2017
Alterado em 27/07/2017


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras