José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Fontes do Tempo

Existiam cinco fontes de esplendor que pulsavam em meu peito como uma criança à espera do dia comum.

Todas, com o passar do tempo, com o toldo das horas parecendo desabar, com o nome de inválido, foram desaparecendo até completar seu ciclo do vazio dos homens.

Sou o circo, sou a hora, sou o desejo.

Não completei meu ardor pelo mundo. Ele veio voluptuoso e bem capaz, e me armou de sinceras e dolorosas frustrações.

Se do meu corpo afogueia chamas de viver, por outro, lapida a voz do bom senso que depõe contra mim, todas as provas da improbidade e incapacidade para sobreviver a este mundo, as colinas sem lua que o mundo preparou.

E, agora, de tocaia, só espera o momento mágico, para desfechar seu ataque final. A voz da esperança morreu no primeiro grito.

A ânsia de viver foi comida pelo tempo, o devaneio e o sonho de um burgomestre do amor, foram lapidados para quebrar ao primeiro sopro de vento algoz.

O desfecho está para chegar. E com ele já espero, sem angústias. Porque agora sou parte de todos e todos vivem em mim.

Absorvi as angústias e os medrados em meu corpo e isso me torna feliz por saber dar o alento em poucas e rasas palavras que, se não acrescentam nada ao mundo, revivem em meu corpo, através de palavras procuradas e ajoelhadas de amor comum, um feito de acalanto para aqueles que nada tem.

E me tornei um pároco de todas as ânsias, uma esperança que, sei, alguém aguarda.

E se tudo isso for medra de musgos falsos, que desabe em mim mais uma fonte: a da espera daqueles sem feitos, vazios de sentinelas e ralos em acalantos.

Só espero a vida continuar para saber as respostas. Mas que elas venham, mesmo em forma de fim de história, de uma folha que se desbotou de fraqueza e se deixou levar pelo vento da vida.

Pode ser o fim de meus princípios, pode ser o início de minhas dores.

Como um parto da vida: você está para nascer ou para morrer. Se for para morrer digam logo.

Sou frescor das mortalhas, impávido homem do caixão comum.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 14/05/2017
Alterado em 22/05/2017


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras