José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Grãos de Solidão

Quem sou eu pra saber quem eu sou.
Se já não sei, não posso avançar em conquistas
ou ter meu pôr-do-sol.

Moro perto da montanha que a cada dia,
sem ela perceber, fica mais velha.
Nesta solidão de nós dois,
somos um a procura de alguma coisa.

Quem somos, afinal?
Um pouco de pedra e o resto de procura.

Sou o que sou,
mas de mínima ideia,
sei quem sou.

As sombras me envolvem,
quando faz sol e a lua
me sosleia de esperanças.

Me abranda somente saber
que igual a mim, você também é.
Nem mais, nem menos.

E por tudo, somos grãos de solidão,
por mais que a mesa esteja cheia.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 22/06/2017
Alterado em 27/07/2017


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras