José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Tendas de Ouro

E vãos se abrem como se você fizesse parte das coisas... Como se tudo permanecesse igual ao início dos tempos. Mas, não é tempo igual. Cada tempo é um tempo, um pequeno ciclo de idas e voltas. Eu não sei se estou indo ou voltando. Já "terrerei" pra saber. Mas as conchas estavam contra mim - nada souberam dizer que acrescentasse ou desfizesse alguma coisa. Se sou parte, então estou adiante. O que atormenta é não saber conversar com as datas e delas saber coisas mágicas... e outras nem tanto... Se sou parte do encanto, sou parte do milagre e de suas coisas: como o vento ou o amanhecer. Se sou parte, divido por igual meus anseios e dúvidas. E dúvidas, tenho muitas. Mas, neste caos interior que invade todo mundo, a gente começa a perdoar os outros, a dar pão e abrigar com nosso sol, o próximo e os próximos dos próximos. Então, com o tempo na cara, a gente começa a fazer parte do mundo. E tentar entender alguma coisa. E por falar nisso: alguém entendeu alguma coisa da vida que está passando? Por mim, digo que não. Meu único abrigo são perguntas que voam ao vento e se dirigem para alguma terra. Desejo meu! Terra de tendas de ouro e milagres familiares...
José Kappel
Enviado por José Kappel em 01/07/2017
Alterado em 27/07/2017


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras