José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Tempo de Passagem
Alisa o vento
com seus cabelos dourados;
se refaz no jardim dos justos,
onde se medem amores e juízos,
se medem as flores e as esperanças.

Mas, às vezes, se perde o amanhã.

Que espere o tempo malicioso,
ele nada mais é do que passageiro
dos outros.

E no dia que sentir suas nódoas,
as suas âncoras que ferem,
seu aço que dobra,
procura meus antigos abraços!

Aqueles que te afogaram no nosso,
então,eterno amor.

José Kappel
Enviado por José Kappel em 04/05/2006


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras