José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Paixão de Poeta
" Cada poeta tem sua vez. A vez faz o momento: abre chagas ou sorrisos. Dos dois nasce a nota poética, a flauta doce, o oboé, o violino, que se misturam para fazer brotar o doce momento de ver nascer, três ou quatro palavras que descrevem amores, alegrias, tristezas - e até a chegada-morte -, mas nada disso abate o poeta.

Ao contrário, o faz engrandecer diante da vida que, pouco a pouco, nasce, dentro de dele e espelha em nós.

E isso tem um nome: paixão! "
José Kappel
Enviado por José Kappel em 06/05/2006


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras