José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Quadrinhas (2)
Fui almoçar com elazinha,
toda de azul e muito lacinho;
Zenilda é nome seu, de batismo,
mas na roda da rua morena e de zinco,
todos a chamam de meu benzinho.


A gente sabe quando a mulher é da gente,
quando lá no fundo do abismo muito escuro,
ela grita pra gente, e pergunta se está vivo,
e quando a gente diz que está muito fundo,
ela corta a corda e pergunta " e agora "?


Quando casei, de pronto e casaca,
todo mundo em festa eufórico, dizia:
vai em frente homem! Avante! Lance !
Mas quando fui rente e pra frente,
encontrei mesmo uma tora gigante!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 19/05/2006


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras