José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Ameixas de Julho
A vida é uma só,
dizem até que há duas:
não conheço nenhuma
delas,
nem do início
nem do fim.

Fiz um protótipo de
minha solidão,
com arcos iluminados
e vazios deslumbrantes.

Não sou chegado
de vazios,
mas peco pela indecisão
de nunca ter o que
está em minhas mãos;
de possuir sufrágios
e deles não fazer votos.

Da vida o que bem
conheço
são lembranças
merecidas,
em vôos por terras bravas
onde cotoviam aves,
espargidas de cores
divinas: seu espelho !

Então, passo rápido,
ninguém percebe nem a sombra;
mas quando sussuro seu nome
junto aos pássaros sem rebeldia,
eles cantarolam belezas
e mostram que dúvida
não há:
ou você vem coroada de rainha
e embeleza meu trapo corpo
com sua graça amena e depois
conta:
meu senhor sou sua paz e luz!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 13/09/2006


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras