José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

O Vôo do Aprendiz
me preparei,
mas me contive,
estanquei,
depois fui em frente,
mas parei.

afinal era eu homem
sem lei !

pensei
duas,
três
vezes:
eu era
afinal
um erro.

era a
hora errada
dos homens !

mas a queda
foi
de pulo,
ganhei
o espaço.

o vôo foi livre,
igual pássaro
redimido.

fui e fui
igual a
mulher pura,
o que era grande
ficou pequeno,
o que era pequeno
virou escuro.

ah! afinal!

estava livre.

dizem lá as
más linguas:
é ridículo!
isso
é suicídio !

e foi.

mas não doeu.
acho que não.

poi o aprendiz
da morte,
também têm
feitiço de prontidão,
pra ver o rumo
que toma
aquele que fugiu
do amor e da
multidão

José Kappel
Enviado por José Kappel em 25/09/2006


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras