José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Rotina em Banqué
teste daqui,
teste de lá,
todo dia
vem a rotina
dos sem-fazeres:
testam,
me testam
que festa!

sou da vila
da Banqué,
lá o amor
nasce
e renasce
sem teste.

mas nesta terra
em polvorosa,
me prenho ao
teste:

se de duas
quero duas
divido o
meio quarto,
e de lá fica
o rosa-vestido
e no de cá
o beijo enternecido.


José Kappel
Enviado por José Kappel em 18/10/2006


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras