José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Pó de Lembrancas
pernoitei nela

uma estrela

de vezes.



sempre usava

cachemira

vermelha

e, torneando

o pescoço,

uma

lenço que

a protegia

do vento

rodeante.



é assim

que me lembro dela.

é assim

que já nem mais

lembro dela.



por zeus,

faz ela

voltar!



mesmo que seja no

escuro de breu

pois nos amamos

até sem nos ver.



pois, azar meu,

perdi a ida,

fiquei sem ela,

azar !



e pela vida

dos espíritos,

ficamos !
José Kappel
Enviado por José Kappel em 25/02/2007
Alterado em 25/02/2007


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras