José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos



Saint-Michel, dezembro de 1989.
 
 
Meu amor querido.
 
Tanto tempo se passou desde nossa última vez juntos em Saint-Michel...

A saudade se manifesta imensa. E, com o passar dos dias vai se agigantando em angústias e medos. Medos de que não estejas bem e de que minhas mãos não possam mais tocá-lo nas horas mais difíceis e sozinhas.

A cidade não é mais a mesma sem você. Ando solitária pelas ruas tentando imaginar nós dois quando andávamos, mãos dadas, pelos paralelepípedos centenários...

Hoje você não está mais aqui. A vida te levou para longe de mim e te plantou em outras terras... onde meus pés jamais pisaram...

A longa espera por notícias que não chegam, tua ausência, deixam o coração apertado dentro do peito. Meus dias são feitos de lembranças de nosso amor e de lágrimas pela dor da saudade...

Ao mesmo tempo, essa saudade e a dor da tua ausência mostram que meu amor por ti é muito grande, imenso e que nunca vai morrer...

Por isso, hoje te escrevo querido Joseph. E desejo que este bilhete chegue para abraçar teu corpo, colar meu rosto com o teu e meu beijo de saudades em tua face amada...
 
Fica bem, meu anjo, meu amor, Joseph querido...

Tua Marie.
José Kappel e Marie
Enviado por José Kappel em 08/04/2017
Alterado em 27/07/2017


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras