José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


A gente quando é criança sente medo de quase tudo. Quando velho, sente medo de tudo.

As religiões ricas estão acabando com as religiões dos pobres.

O político quando ri muito quer somente mostrar os novos dentes.

A forca foi inventada à força.

A infidelidade nasceu do excesso de fidelidade.

Hoje em dia a odontologia está muito desenvolvida. As contas também.

A única coisa que funciona bem no escuro é o fósforo.

Nunca chame uma mulher de doce. Ela pode pensar que quer ser comida.

A mulher solitária é aquela que está sempre cercada de muitos homens.

Em dia de festa no galinheiro, o galo dá plantão de 24 horas.

Pra não perder a amizade de alguém nunca empreste dinheiro a ele.

Banco é fácil definir: se você tem, você é; se não tem, não é.

Se no céu entrasse político, quase todos chegariam com malas.

Para alguns, a conquista ainda é pouca; há de rapidamente divulgá-la.

O horizontal, quando em perigo, logo procura o perpendicular pra tentar sobreviver.

O galo sempre fica ciscando pela cozinha quando o prato do dia é canja de galinha.

Os visionários sempre guardam um certo temor dos oftalmologistas.

O bom sapateiro faz as botas do rei sem nunca perguntar onde ele vai pisar.

Os homens estão cada vez mais raros e as mulheres mais caras.

Aquele pobre homem, de muita fé, foi rezar na igreja dos outros e acabou apedrejado.

Aquela mulher cansou-se de prostituir e foi trabalhar como copeira-prostituta.

Mulher não é carta pra se devolver à mãe quando o casamento não dá certo.

Xícaras e garfos não gostam de serem colocados lado a lado.

As disposições em contrário estão quase sempre contra a gente.

Mulher gradativa é aquela que vai tirando lentamente tudo o que você tem.

O círculo está quase sempre com falta de ar.

O cão corre atrás da minha moto porque ele pensa que eu sou uma cadela.

O valente sempre tem uma arma escondida.

Quando a permissividade chegou foi pedindo logo embargos infringentes.

Há muito e muito tempo atrás, um homem tentava inventar uma protetor para as mãos. Ao ver que a coisa não funcionava e, com muita vergonha, escondeu nos pés. Tinha acabado de inventar as meias.

O homem público é eleito pelo público, trabalha pelo público e rouba por ele.

Porquê quando os torcedores vão assitir algum jogo no estádio, preferem assistir o jogo pelo celular ?




 
José Kappel
Enviado por José Kappel em 09/04/2017
Alterado em 15/04/2017


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras