José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Minha Vida com a Tua

Desvenda o corpo,
como se uma abre uma flor,
redoma as mãos e
faz delas
uma aventura de mim.

Não é pedir muito,
para quem já tem pouco;
Não é pedir demais
pra quem beira o louco.

Abre o espírito iluminado
e faz dele um pedaço de mim,
desdobra a vontade,
e, de armadura em mãos,
acabe por dilacerar
os frutos que morreram
quando me viram nascer.

Se peço pouco, é porque
sou ralo de mim.
Não visto coroa,
nem mendigo por
estrelas,
ou faço delas
esperanças.

Na verdade,
na verdade,
minha amiga -
que ouçam os místicos
do amor -
o que queria mesmo é,
nem que fosse por um minuto,
roçar minha vida
com a tua...
José Kappel
Enviado por José Kappel em 05/06/2019
Alterado em 05/06/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras