José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Mulher dos Ventos

me aponta
a dobra
que faço
a esquina.

faz de mim
até um
horizonte,
com bordas
de fogo,
ou até
uma ponte
de atravessar
os meigos
e os avessos.

sou de pouco
vivo de lasca
de madeira
ociosa,
sou bandeira
e pátria
dos sozinhos.

se hoje
te peço
perdão,
não é por
nada não,
é que dói

receber
despeços.

se de
todo
voltar
não quer,
digo eu
lá pros
bentos:

pecado meu!

dei azar
de amar
mulher
dos ventos !

Poema e Foto:
José Kappel
Enviado por José Kappel em 05/06/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras