José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Doce Agasalho

Me perco devagar
nas bruma da noite
que se aproxima.
São as incógnitas
da vida que deixei
de viver.

Me perco em seu corpo
que viaja longe,
sem destino, abusando
das graças do passado,
evitando o presente,
refazendo imagens
do futuro,
onde minha fuga
é de fogo e dor.

Viajo devagar,
pois meu corpo
nunca teve dono.
Se teve,
está perdido na corrida
do tempo,
entre as estrias de um suspiro
e de um beijo.

Se falho em perguntar,
falho pela minha ansiedade,
pois se você é você
- cheia de graça e harmonia -
mulher de dois mundos,
e com o poder dos deuses,
para desfazer e compor,
então, volta para o
meu corpo
pois ele dorme lento
de paixões
e finura de esperanças.

E que um dia bata na minha
porta
e diga:
meu senhor!
sou sua aventura,
seu agasalho.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 10/06/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras