José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Hora de Jasmim

Obreiro sem artes,
cheio de arremedos,
fugitivo das horas,
relaxo o corpo em partes,
e, no sincero, só acho medos.

Minha vida tem sido assim:
ora é uma hora,
ora é outra,
mas tudo segue igual
que até os sinos se calam!

Duvido de mim,
duvido do que me cerca,
perdi a vontade de chegar
e muito mais de partir.

Espero só minha hora de jasmim,
onde poucos se aventuram,
mas é pra lá que vou,
ver se florescem em seus olhos,
tudo o que perdi de mim.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 12/06/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras