José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Muralha de Saudades

Diferente de tudo,
compadecido de todos,
frugal, ativo
e necessário;
coloco sobre a mesa
de pesamentos
aquela que me primariza como
bom devedor.

Não basta saber,
bem ocultar,
falar aos sussurros,
pensar,
só medrar,
ávido e cativo.

Na minha porta de cedro
aguardo os repentinos
que surgirão na leve
madrugada.

São sonhos vizinhos,
imagens sem tempo,
figuras dela,
ocultadas
no fundo do tempo,
numa hora que nunca existiu,
num tempo que morreu,
sem velório de lágrimas,
assim,  como se abana
o tempo devedor
com a carícia de lástimas.

Hoje somos apenas vizinhos
de duas portas:
quando ela abre seu portal
de lágrimas
eu fecho minha muralha
de saudades.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 15/06/2019
Alterado em 16/06/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras