José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Amor Sem Morte
do patamar
de minha varanda
dourada de musgos e
aberta ao sol,
gueixas imaginárias
me amedrontam
com histórias de
fantasmas de
crianças.

beiro um miúdo riacho
que adormece sem
flores costeiras,
que roda e roda
dia e noite,
num ritmo que
os sós conhecem.

de tudo,
me movimento na
lenta paisagem
d’ouros,
onde reservo
minha dor
e meu só,
para meu
próximo que
não é ninguém.

que é fruta
sem ramos,
sementes
sem amos,
que me morrem
a cada segundo!

e lá fico,
e lá adormeço,
à procura
do amor
de limo,
do amor
sem morte!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 15/06/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras