José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

A Verdade

Que me chegue toda a verdade. Sem erros, mas me chegue. Mas se alguém puder, me esconda algo, que guarde para si o grave. Não há homem na terra preparado para receber tal atalho de verdades.

"Não sou de plumas", dizia meu antagônico avô em 1900, enquanto aliciava escravas para importá-las para dentro de si mesmo. "Não de plumas e muito menos de ferro", dizia ele, enquanto contava vinténs para dar ao mercador. Comprava-as, como se compra carne de sol.

Agora, volúvel, meu avô, peço paz, e que não me contem histórias assim. Que me poupem! Que me tragam seus odores, mas me poupem de seus permanentes anseios.

Já na minha idade, acredito no impossível e em grandes ilusões. Manco, mas não perco a pose. De sabedoria, eu não entendo, mas sei que quando ela vem, vem para ficar.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 16/06/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras