José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Esplendor das Cintias

Por vontade própria e desejo incomparável, lhe dirijo estas palavras, que são, nada mais nada menos, do que uma dedicatória ao talento e a limpidez intelectual que brota de suas mãos, que lhe impede de ser comum, que fortalece a vida espiritual e acomoda todas as angústias. Coisas que só você sabe fazer.

As palavras são instrumentos de prazer e dor. São instrumentos como o são os instrumentos de um cirurgião. E assim como o cirurgião lapida a angústia do próximo, você, com seu talento, faz o mesmo, com sentido apraz e maestria soberba.

Muito já foi dito, comentado e enaltecido. Mas nada fica a nós tão grato de elevar você à categoria dos privilegiados e dos comensais da esperança e do alívio, quando mesclas as dores aos sentimentos fugazes.

E é quando a sua angústia lateja e você consegue transpor e sobrepujar a própria dor interior - sem com ela se importar - e criar dentro da magia das letras, uma forma de acalanto, onde mesmo ferida como um pássaro sem alento e sem frescor, onde as coisas dispersas do mundo, dos antagônicos, dos desprezados, dos ansiosos e daqueles que sofrem por minuto, são entrelaçadas e colocadas em seu lugar e descritas com sua maestria de poeta, que comove os insensíveis e adormece, com seus cantos, crianças e idosos, com ideias maravilhosas de como tudo poderia ser perfeito igual a você.

Onde a amargura, às vezes latente, se torna sua porta-voz e a transforma em apanágio e conforto para o espírito.

Somos gratos à você por nos pertencer e, sem torno e sem aridez, nos tornar mais capazes de entender um mundo tão complexo. Saber descrevê-lo é uma coisa, saber senti-lo é outra. E este é o seu dom e com ele aprendemos que o dia de amanhã é possível. Sem você seríamos pouco. Ou nada.
Assim, parti para muito longe e lhe deixo palavras !


"Mas tentamos ser igual a você: 
doce canto da primavera 
que nasce em seu peito e aflora... 
e que de ânsias espera, 
um dia, que se torne a glória 
dentro do esplendor das cintias, 
e da floresta encantada, 
uma voz para sempre esperada!"
José Kappel
Enviado por José Kappel em 18/06/2019
Alterado em 18/06/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras