José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Veio de Ouro

As coisas
não necessariamente
vazias,
nem supostamente
feitas de palha
- fogo rápido -
que consome o
espírito devasso
de muito amor.

Desprezo o anterior.
porque foi feito à minha
imagem.
Desprezo o hoje
por uma questão
bem particular:
os liames se partiram
e os augustos
se refugiaram.

Não adianta voltar,
Não adianta seguir em frente.
Não há passos atrás
Nem caminhos à frente.

E se não é mal,
bom não é.

Assim, de sol em sol,
custa um pouco,
mas um dia você tocará na
mais pura abóboda do céu
e lhe velejarão de purpurina.

Será quando você encontrar
o veio de ouro que um dia,
ontem ou hoje, lhe foi oferecido,
e você se negou
a toca-lo em nome do amor.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 05/07/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras