José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Segredos Mortais
 
De longe, alvíssaras, moças se penteiam ao rebordo do sol, na cálida manhã. Eu, de chinelas e ainda com rumores de uma noite sem conversas, corrijo o corpo no sopro de vento que me guarda de aromas e me empertiga os sentidos. Sei que, se algumas coisas se vão, só por instantes, jamais voltam. Não há retorno para as coisas sagradas ou profanas. O mínimo que posso fazer é, do meu patamar de vida, sentir o embriago dos aromas que exalam das formosuras de cabelos. Mas outras, talvez mais sábias, tratam de tomar seu lugar. E veio a saudade calejada e me arruinou. Tomo um trago que faz bem e me recupera. Sei que este vento não me larga mais e vou um dia com ele para o cemitério dos falantes. E não conto a ninguém, porque só me habitam fantasmas. E se a porta só se abre para o vazio e me priva dos degraus? Sozinho eu vou! De longe sonho. De longe vejo algazarras juvenis tropeçando na minha idade, como pássaros indefesos. Sei, porque não sei... não sei porque não quero ver e se algum dia descobrir, guardo para mim estes pecados - segredos mortais que um dia só habitarão a eternidade!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 28/12/2019
Alterado em 28/12/2019


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras