José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Velejador do Próprio Corpo
 
A única que me atiça, me permeia, não faz mais de conta, é real, e não se dizima, é a vontade de existir. No momento as coisas passam - como passam as nozes de Natal - e nada mais reconheço, nada mais vejo. Se há uma agonia de gente bem formada, simples e carismática, essa coisa tem nome: é a vontade de ser. Ser completamente, e dentro de teu corpo velejar como fazem os argutos homens do mar. Sou formado em agonia e meus parentes dizimados em ânsias e chamuscados de pleno inverno. E eu não quero viver mais este inverno. Nunca mais, viver tal frio - coisas que chegam e partem sem ao menos dizer perdão! Seu Joaquim - me sussurram - seu mundo ainda está sendo armado! Mais fruto dele você não é mais!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 09/01/2020


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras