José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Coração Aberto

Hoje, quieto estou,
sobremaneira em paz de comodidade
de espírito.
Consegui a paz e nela mergulhei!

Mas difícil foi encontrar o caminho dela:
é cheia de raspantes disparates,
comezinhos sem importância,
diabruras de gente pequena,
mas tem lá sua formosura!

Consegui a paz no meio de arbustos rangentes
onde o sol rebatia lucidez e tentações.

Fui pelo mais calmo:
Deitei sob um pinheiro sem tamanho
Tirei as chinelas
e pela primeira vez na vida
vi só e quieto
todo o esplendor da vida
que eu tinha dentro de mim:
se antes caixa fechada,
hoje coração aberto!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 18/01/2020


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras