José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos





Fui numa tarde sombreada testar o tempo.
Visionário e louco, me vesti de rara esperança e parti para as entranhas do tempo.
Ele até que jorrava sol nas montanhas e partia-se em dois, rebatido por nuvens indiscretas.
Aportei na primeira pedra.
Foi ai que além do tempo fui conhecer o precipício: era longo, de rasgas escuras, bordado de musgos e profundo.
Tão fundo que, ao mergulhar, me tornei dono de meu tempo,senhor do meu vizinho,aragem de minha terra, floripas de meu campo azeral.
Azéus! - Fui de minha morte ! Trombos! Passei a ser dono também de meu funeral!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 09/03/2020
Alterado em 09/03/2020


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras