José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


 
Eu tenho pouca coisa - fiz vistoria -
igual a fiscal de rendas, 
tolice  geométrica-alada,
 pois me indiciou e
 descobriu
que eu tinha a mulher do lado.

Vistoriei meus bens.

Eu tenho:
um pacote de balas de crianças,
um retrato da Primeira Comunhão,
tenho também uma cruz  quebrada,
um par de alianças esquecidas,
cartas opacas - de amor eterno,
e um terno de missa.

Tenho também:
uma vasta coleção de
revistas velhas
de mocinho e
bandido, e também
de modas passadas,
com mulheres replandescentes
que, hoje, nem brilham tanto.

Tenho tudo guardado
com medo de gatunos;
tenho-os alguns, em caixa
de papelão,
outras embrulhadas às pressas,
em papel-carmim,
com medo de mim
mesmo.

Tenho também
uma caixa de fósforos
vazia.
Onde guardava os
brinquedos
que nunca tive.

Tenho um maço de
papel onde pretendia
escrever minhas
memórias.
O papel amarelou
e as ideias
desapareceram.
As memórias
ficaram à revelia.

Foi esta ferida
que faz
minha história
de leva-vida. 

Que levou tudo,
pois devido - destino atroz - 
a idade que tenho,
 esqueci a
maior parte do que ia
dizer aqui.

Esqueci meu passado,
quase todinho, 
e dele, 
só me lembro
de ter tido uma mulher.

História meio
trancada de esquisito.

Mas dela,
ah! me lembro,
raramente.
Sempre de saia grossa,
com um cachecol avermelhado,
que lhe caia muito bem,
pois o pano lhe escorria
até os seios ameaçadores.

E me lembro que ela
até se iluminava como
estrela, com aquela
roupa feita de rendas,
pela avó desconfiada.

Foi tudo que me restou.
Hoje só olho pela janela
e penso comigo:
que coisa larga é a vida.
Uma hora você é dono das coisas,
noutra as coisas donas de ti.

E digo: sim Senhor!
Senhor das espirais,
dono da vida e da morte,
não rogai por mim,
pois tal desavença,
não mereço.

E  minhas memórias
também  vão partir.
 
Sei, pois conheço o Sr.
da corda-bamba,
cheio de felicidade,
que
a qualquer instante,
vai me  colocar lá na
eternidade.
Pior - com a memória
penhorada.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 06/12/2020
Alterado em 15/12/2020


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras