José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


De muito te quero

Não quero ser pouco, nem muito.
Apenas o suficiente, talvez o bastante.
Se a procuro sempre está envolta
em véus de esperanças,
de anseios e prerrogativas,
dentro do caos e sinceras respostas,
dentro da palidez de seus lábios.

Se a encontro, acho.
Se acho, sou homem já feito 
- de corpo e alma -
e sentir emocionado.

Nos meus sonhos, revejo faces
que se perderam no tempo
que se foram, quase desapercebidas.

Engano meu!
Elas estão em toda volta do canto
que começa no princípio do céu
e termina no meu espírito.

Se sou espírito, sou de carne, se
de carne sou, anseio e desejo:

Volta, por um minuto, volta e diz:
quando os céus se unirem, retorno!
sombreada de luas,
fantasiada de estrelas,
carregada por fadas.

Se é fato, se é sonho,
já não sei.

Faço por mim, faço por ela.
E somos um dentro de dois.
Somos um amor de várias cores
e centenas de milagres.

E é assim que se chega
ao pé de seu corpo
ao brilho de seu espírito!
À luz eterna que te rodeia!

De muito te quero!
De tantos e tantos
milhões de anseios!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 11/01/2021
Alterado em 19/01/2021


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras