José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Vento que bate. Vento que assola e amedronta. Vento sem momento.

Vento do norte que roça e  nos retrai. Mas trás um frenesi e uma esperança que ele carregue o que restou.

Tenho três fitas de mechas de Maria.  Rosa, vermelha, amarela. Tenho três cartas de despedidas.

Tenho três pontos de agulhas invisíveis aferroadas de amapoulas em meu peito. 

A vida é melindrosa e rude - quanto de amor você mais dá, você mais perde

Se nunca a ganhei,  foi sem afago. Longos: dias e dias à procura.

Hoje me dizem :  foi melhor assim. Digo eu: não foi, não! 

Me perdi dentro de mim mesmo. Por, sem respaldo, perdi na roda que o mundo dá: um dia, ela se foi carregada pelo vento!

 
José Kappel
Enviado por José Kappel em 20/01/2021
Alterado em 21/01/2021


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras