José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


era uma vez uma canção sem ritmo. 
uma orquestra sem músicos,
uma paisagem bem descolorida,
um mendigo que queria ser rei.

também tinha eu,
que não queria ser nada,
e de vez,
acabei caindo na viela da vez!

hora miúda da vez
pois,

ela foi embora com outro
desdém,
eu fiquei sem vez,

amém ! belo padecimento !

agora, sem vez,
meditando ou correndo,
pergunto:
por que tem tanta
gente
querendo por amor morrer !
e outros por excesso dele !
José Kappel
Enviado por José Kappel em 27/01/2021
Alterado em 28/01/2021


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras