José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Hoje é dia de pó,
vesgueiro, e se colocado
em minúsculo, dá até
pra varrer, com arte,
o que sobrou de nossa
vida nesta cesta

de vida que
virou ciscos.

 

Até o povo
já comenta,
com rara bravura:
-lá vai o homem que
virou pó!

 

Não me preocupo muito
com dizeres malfadados,
mas sei, que aqui por dentro,
virei coisa tão sem sentido,
que perdi todas as coisas

que fazem

essência.


Na verdade,
virei pó de saudade
no coração dela. 

 

Que
me basta! 

 

Me trocou
pela terra dos cem homens

argutos, mas sem centeio.

 

E todos dizem: lá vai o
homem que virou pó!


-Lá vai a mulher de
dois homens !

 

Paciência!


Também não sou santo nem ontem

nem no  alvorecer!

 

Me satisfaço agora
com dois goles
um pra esquecer,
outro pra lembrar,
que já sou
gente fora de hora!

 

Gente sem moda,

ou parente  da metade,

onde o inteiro não faz a vida

mas leva para a hora da verdade !


 

José Kappel
Enviado por José Kappel em 09/09/2022


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras