José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Uma coisa é certa: se não há certeza não há dor. Se há certeza há dúvida. E se a gente caminha pra dúvida, acha mais dor. Se há angústia existe, a espera se ergue. Se não há esperança há ansiedade que se mescla com o avestado do viver.

 

Se há tempo, você se mira nos ponteiros dos relógios. 

 

Se alguém sussura, você se tranca dentro do ontem. Não há respostas sem perguntas.E quase todas as respostas chegam com a dúvida.

 

Se você quer descobrir algo, descubra primeiro dentro de você,onde não há paredes.Se seu desejo é a vida, ela já lateja dentro de você. 

 

Não há perca. É dom dos deuses, a ópera do amor. Mas não se perca em caminhos destros, pois caminhos só há os que sobrevivem no amanhã.

 

Se você habita o silêncio, seja seu amigo:é no silencio das coisas que você encontra seu passado.Se dele não recorda é porque, você o está vivendo agora.

 

Não faça muitas perguntas diante do óbvio. Se o lado de lá é obscuro é sinal parvoso que existe luz do outro lado.Se existe a escuridão,um dia haverá a luz. Se você procura o que não tem, não espere para ter. 

 

E tem a  hora que nunca vai chegar vai chegar.
 
De um lado pelo outro de outra vida, você circunvizinha sua vida.Você está vivendo seu passado no presente.
 
Então faça dele uma chama, porque quando lembrar, dele terá algures de luzes e milagres.

 

Não se amedronte com o silencio.Não tenha medo de homens pois são apenas sombras. 

 

Não se amedronte com o vazio. A angústia começa no estômago e corre as veias dos reis até chegar a você. Não me pergunte porque não sei. Mas não se negue. 

 

Mas posso eu perguntar: tudo isso, toda essa angústia, acaba num caloroso aperto de mão? 
Ela apenas significa o início de alguma guerra? Ou o fim de uma noviça paz?

 

José Kappel
Enviado por José Kappel em 14/09/2022


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras