José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos



Sempre foi ordenança de minha horas !

Hoje é dia de
se vestir;
hoje me sinto
igual a um parque
cheio de enamorados.

 

Vou viver a vida
enquanto posso.


Sei lá se viro
caixão de transportar
pros cemitérios?

 

Pois vou me vestir
parecido
de brando cálice
de licor.

 

E assim
que ela chegar
espero que sorva
minha agonia e
me deixe treinar
de amor em seus
abraços.

 

Ficar, eu fico!

Só espero que ela
não seja controle
remoto e fique
trocando de homem
todo dia.

 

Faz bem!
Eu me visto.
E você vem.


Mas contra os deuses,
tenho só a revelia!

 

Bobo já fui!


Porque mulher, muito senhora,

José Kappel
Enviado por José Kappel em 16/09/2022
Alterado em 19/09/2022


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras