José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


De volta e meia
passo na porta
da casa dela.

 

Não por obrigação,
ou por  coisa de louco,
ou dever cívico,
mas por vago sentimento
que descandeia nesta 
velho corpo: saudade

 

Passo com sentimento
à toa,alvoroçado, 
igual a quem
passeia numa praça vazia
de alegorias: apenas
dois postes e
três bancos.

 

Tudo com muita lua
e armações de sereno.


Passo de folga
e só penso assim: que
estranha é a vida:
ontem era minha
hoje já é do mundo!

 

Passo, sentido,
pois sei que dali
metade de mim
ficou.

 

Passo sentido,
pois sei que, na vida,
nada tem volta
se perdeu uma vez,
perdeu para sempre.

 

Dúvidas agora eu tenho
sobre minha sobrevivência.


Não sou mais de lugar nenhum,
nem tenho mais pouso
no sentimento dela.

 

E sabem o que faço
neste pedaço de terra?
Vou escondido, me meto
entre as flores
e fico pensando:

 

Como era bom quando
a gente
julgava que um era
do outro.

Hoje, porém, somos asas
partidas que não
conseguem levantar mais vôo
.

José Kappel
Enviado por José Kappel em 16/09/2022


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras