José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Vi de repente
você partir.


O que já era coisa esperada
virou premente.

 

Vi você negrir,
mas sugeri:
era coisa de dengo,
de amor ferido,
de chagas abertas,
de aparatos sem tempo.

 

Coisas passageiras
que o tempo se distrai
e acaba por esquecer.

 

Mas você se foi
assim como chegou:
avessando duas malas e 
uma cachemira vermelha.

 

Foi igual a uma garoa

de molhar.

O tempo passou e você
pra lá foi.


Então a história se fez:

um dia você partiu
e de lembranças só
deixou
uma foto lavada

de soidão.


E a conclusão veio logo

aquilo que se vive
com muito ardor
acaba morrendo
na imensidão 
de uma caixa que costura a dor !

 

José Kappel
Enviado por José Kappel em 17/09/2022
Alterado em 19/09/2022


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras