José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Aqui lasciva a
gloriosa aventura
de permanecer atento
as coisas que aparecem
e desaparecem
numa eterna tortura.

 

É a Colheira dos Desaparecidos !

 

Aqui aparecem
pássaros,bordas de campo,
frutas esquivas,pontas
de árvores nascentes,
frestas de céu azul
por entre galhos pendentes.


Aqui também desaparecem
a rua que morei,
a mãe que não tive,
o pai que não sobreviveu,
o laço de tricô da avô,
o tio do bourbon,

de cálice toda hora,
e o calisto tio

de três mulheres

e nenhum amor !

 

Peço aos céus que me apare
em algum lugar.


Que seja lúcido,
e que lá estejam todos
aparecidos e desaparecidos,
e, por tal, não repare,
sou também

já o início parte da colheita
dos desaparecidos!

 

Estou aqui, e daqui

a minutos,

viro relógio

esquecido,

que de loucura,

não quis mais marcar o tempo !


 

José Kappel
Enviado por José Kappel em 17/09/2022
Alterado em 19/09/2022


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras