José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Fraco,sobejo o vôo,
auguro a aurora
em partes de agonia,
onde não hajam sombras.

 

Minha caixa é de brinquedo,
minha voz é de criança,
meu pai é de longe,
minha mãe, vem da terra
batida, mas querida.

 

Venho de longe igual a uma
caixa mágica,
que me leva
ao fim do mundo,
onde o sol não nasce
mas flores dançam ao sol.

 

Este sou eu, 
constante da natureza,
pedreiro de paredes,
e com cimento no coração.

 

Valia minha bruteza quando
era forte;
hoje, esquálido
e mal querido,
refaço meu coração de pedras
e calco a ansiedade e o medo
com tragos de solidão.

 

E nesta mesa de bar
vou morrer;
nesta mesa vou partir;
sem dar adeus.


Nem de quebra !

 

Todos se foram
e minha luz interior
se esvai,lasciva.

 

Vou, então, pra onde?
Pro canto do mundo?


Ou pros escondidos
das frestas?

 

Se vou, parto,
Se fico, quebro.


Ah bela!
Se desfilo,vou sem passo.
E se amo, não mais
tenho de troco
do felicidade dela !


 
 

José Kappel
Enviado por José Kappel em 22/09/2022


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras