José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Enquanto
os campos de flores urgir
o passadiço tempo,
enquanto nenhum navio
largar o porto,
e as senzalas da dúvida
perdurarem entre os presos
tortos,
tenho certeza que não
abandonarei você.

 

E, se, de repente,
o fogo humano bramir
sua inconstância
e aventar a guerra dos
anos,
e ver minha juventude sorvida
pelo arco e a flecha,
montarei guarda medieval
à sua porta.

 

E, se mesmo o amor morrer;
Faço lá!

 

De fora ficarei
guardando sua
 vida choupana,
seu amor de quarto,
nosso amado jardim,
que nasce agora como
estrelas,  entre
um jardim de hóstias
nunca, antes, varrido
pelo vento do amor.

 

Desejo e não faço.

Mas, esperto,
penso e refaço !

José Kappel
Enviado por José Kappel em 14/11/2022


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras