José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos


Se caminho só, é porque este
é meu caminho.


Mas porque duvidar tanto de
minhas trilhas?


São ancas e desalinhadas;
de pouco valor forense!

Duvido de meus caminhos
porque outros não tenho
e se tive, não sei.

Procuro outra vida
pra compor uma

sinfonia sem dor!

Mas vá achar outra vida!

Que faço com centenas,

se não consigo suportar uma?


Que faço com o feito

que abate

o dissidente ?,

Sou vítima do desdém.
Se aporto, naufrago,
Se renasço, caio de vintém
no poço mais profundo
de águas de ninguém!

Assim, vou trocando de vida,
ora aqui, ora ali,
sempre pensando
que, um dia, talvez,
eu volte pra vida
e vire luz,carinho,
e doce meiguice;
aquilo que atrela o
homem e o faz guardião
solene de seu castelo.

Se há um fim do mundo
é lá que habito.


Tem de tudo,

até o sem fundo de mágicas pérolas


Tem até horas pra marcar
e gente, cansada, pra conversar.

Outro mundo de pouco chorar,
de adeus passageiro.


Pois, agora, me ardo de alegria

quando descubro minha vida

nas amoras

em doce alegria !

 

 

José Kappel
Enviado por José Kappel em 20/11/2022
Alterado em 20/11/2022


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras