José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

E Mandei Chamar
um dia,
dia sim, dia não,
chamei meu pai de
pedra
e minha mãe de flor de lis.

um dia chamei meu mestre de dono
e meu oeste de decepção,
meu norte de esperança,
já que lá no sul
debruava
choros de mulheres
vestidas de camaleão.

um dia chamei
meu amor  de vida
e minha morte de vazio,
chamei o rei  de basco
e a rainha de olhar
bem ocasional.

e pela vida fui chamando
até, que de algum lugar,
onde se fala amando,
me mandaram chamar.

então, minha amante
chamou o féretro,
enquanto, minha amada,
chorava feito
rosas sem adorno.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 11/12/2007


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras