José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Ora...ora, Sou Assim !
e lá pareço
como sou,
e lá sou o que
pensam o que não sou?

e lá ligo prá os que
vão cheios de glórias ?
e voltam imersos
na solidão a cada
meia hora ?

pelos ozônios
que nos cercam !

não sou o que sou,
não sou jardim de cheirar,
ou sol de rolar cor,
não sou pão de natal
nem champanha de beber.

mas, afinal quem sou?

pax vobis!
é até castigo !

parem de me chamar
de assim-assim,
porque me enterro
em seu corpo,
e viro ora-ora que usa
até de entrelaços
prá perceber
seu cheiro de
vestido !
José Kappel
Enviado por José Kappel em 19/12/2007


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras