José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Seu Nome, Sua Vida, Mulher !
tem flores que
não sabem que
nasceram,
tem flores já crescidas,
mas que não são flores.

há flores e há flores,
há flores que não sabem
que são flores;
há flores e flores,
pra descobrir uma, há de ser
de amor e amor por faina
e dor.

assopre a flor ao vento
e deixe as pétulas
garlarem
na sua brisa;
aspire o pólem,
e deixe-o
rodopiar pelo
jardim.

dê tempo
ao tempo,
pois a natureza
é feita de espaços
e ventos de incógnitas.

e, na vida, chegou sua
vez, cheio de elos,
de fazer a
descoberta
de uma mulher
sem carmelos,

e veja:

se dela nascer
a fragilidade,
a dor,
os feixos de
tristeza,
o arco-iris,
o sorriso de
ser linda,
o riso
de ser formosa.
a bondade,
feito a deusa iris,

então,
você acaba de
descobrir
a mulher.

e dela você
não descobriu
só o sexo,
nem o puro prazer,
mas a maravilhosa
imagem que lhe ardosa
o âmago:

você achou a verdadeira
mulher:
que jorra feito corredeiras,
no milagre de fazer você um
homem,
o milagre de descobrir
que a mulher não é só
um objeto rotineiro,
mas o eterno espírito faceiro
que do homem é herdeiro.

José Kappel
Enviado por José Kappel em 18/01/2008
Alterado em 30/07/2018


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras