José Kappel

Um amor sobrevive ao outro.

Textos

Baionetas Lavadas
Desculpem se perdi tudo. Do sol à lua, do vesgo ao simples, da poeira ao viajar.

Da resma ao debandar, ao xumacho  da pasta de algodão em rameiras, e outras, em arbustos dengosos, entre o forro e o tecido dos homens, habito as pedras, enquanto lapido estátuas de reis que passaram e foram tão bem esquecidos.

Dai, sem paladar da vida, os homens mandam construir em vestal de pedra lapel, para que ela seja orgulhosamente lembrada por gerações.

Também pode  ser sentida pela maresia que nos aborda os pés e vista por quem e ninguém, - há de ser ninguém, há de vê-la.

É porque ninguém quer construir  passados !

E quando chega a hora de reviver o que foi, só encontra resmungos vazios de uma vida de papel, de cetim amarrotado, do servil vício dos compadecidos.

E, por ser nada disso e ser tudo isso é que...

Me acomodaram no último vagão de um trem que não vai prá lugar nenhum enquanto espero chegar ao outro lado do mundo, que, por acaso, e doce coincidência, também é conhecido por  lugar nenhum.

Se eu perco, você ganha. E todo mundo ganha e todos perdem. É a história da passagem de nossa  vida. que nos trás de uma luz para a vesga noite.

E no silêncio dos sentidos, há de ser eu o pagador e guerreiro.

Saudemos os novos e os velhos sem história. É deles a noite de estátuas caladas e baionetas lavadas.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 22/02/2008
Alterado em 23/02/2008


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras